Total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de março de 2017

HÁ 50 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: Dupla comemoração!



No dia 30 de março de 1967, para comemorar o segundo ano de inauguração do Estádio de Brasília e o terceiro da Revolução de março de 1964, foi realizado o amistoso Colombo x Defelê, de portões abertos.

Esteve em disputa o Troféu das Forças Armadas.

Antes dos jogos, o público presenciou um belo espetáculo proporcionado pelas bandas militares que desfilaram, executando várias músicas.

Colombo 2 x 1 Defelê
Árbitro: Nilzo de Sá
Gols: Zezé, 11; Tião, 64 e Invasão, 73
Colombo: Sílvio, Vonges (Natal), Juci, Sir Peres e Oliveira; Bolinha (Ayres) e Tôco; Paulinho (Gilson), Tião, Zezé e Crispim.
Defelê: Walmir, Chiquinho (Farneze) (Zé Maurício), Lima, Décio e Wilson; Quincas e Bugue (Solon); Djalma, Melro (Invasão), Sabará (Maurício) e Reinaldo (Mozart).

Na preliminar:
Guanabara 3 x 0 Civilsan
Árbitro: Orcy José da Silva
Gols: Paulo (2) e Macalé
Guanabara: Frajola, Geraldo (Luiz), Sabará, Veran e Juracy; Bolinha (Zinho) e Dazinho (Jair); Nelício (Adilson), Macalé, Paulo (Ary) e Léo. Técnico: Bimba.
Civilsan: Sinval, Alexandre, Maracanã, Maurizan e Zezinho; Gil e Ceará; Sílvio I, Sílvio II, Juvêncio e Celestino. Técnico: Raspinha.

quarta-feira, 29 de março de 2017

SÚMULAS DA QUARTA RODADA DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2017



C. A. TAGUATINGA 1 x 2 PARACATU 
Data: 18.02.2017
Local: Abadião, Ceilândia (DF) 
Árbitro: Emanoel Ramos 
Renda: R$ 1.630,00
Público: 387 pagantes 
Expulsões: Serginho, do C. A. Taguatinga, e Magal, do Paracatu 
Gols: Cabecinha, 47; Diego, 51 e João Lucas, 76 
C. A. TAGUATINGA: Abraão (Luiz Henrique), Marcus Vinícius (Igor), Íkaro Henrique, Bruno e Stefan; Ronaldo, Serginho, Balotelli e Sena; Hebert (Emerson) e Diego. Técnico: Edmilson Marçal. 
PARACATU: Jordan, Flávio Mineiro (Renato), Humberto, Breno e Magal; Léo Cruz, Cabecinha, Diego e Zé Wilson (Augusto); Anderson Oliveira (Taylon) e João Lucas. Técnico: Antônio Carlos da Silva (Buião).

BRASÍLIA 1 x 4 SANTA MARIA 
Data: 18.02.2017 
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF) 
Árbitro: Vanderlei Soares 
Renda: R$ 2.180,00  
Público: 283 pagantes  
Gols: João Artur, 55; Fábio Silva, 65; Adenísio (contra), 69; Fábio Silva, 86 e Gleicinho, 90+1 
BRASÍLIA: Shayder, Eli, Álvaro, Bruno e Heltinho; João Bahia, Adenísio (Braitner), Leís e Igor Kopke (João Artur); Yuri (Maykinho) e Wallace. Técnico: Christian Ramos. 
SANTA MARIA: Victor Brasil, Douglas, Everton, Hicaro e Gleicinho; Pipoca (Zé Augusto), Marlos (Jefferson Falcão), Lucas Bocão e Fernandinho (Reis); Jefferson Carioca e Fábio Silva (Romário). Técnico: Jairo Araújo.

PARANOÁ 1 x 1 SOBRADINHO 
Data: 19.02.2017 
Local: Bezerrão, Gama (DF) 
Árbitro: Marco Antônio 
Renda: R$ 1.470,00
Público: 316 pagantes 
Expulsão: João Matheus, do Paranoá 
Gols: Paulo, 51 e João de Deus, 90+1 
PARANOÁ: Rodolfo, Madruga, Juan Victor, Falcão e Zumba; Grafite, Paulo, Acácio (Kayro) e Igor (Felipe); Thiago Fernandes (João Matheus) e Emerick. Técnico: Rol Faúla. 
SOBRADINHO: Léo, Léo Macedo, Leonardo Torres, Alex e China; Thiago Bispo, Helinho (Kelvin), Lucas (Wilker) e Gago; João de Deus e Betinho. Técnico: Augusto Pedro.

BRASILIENSE 2 x 0 REAL 
Data: 19.02.2017 
Local: Abadião, Ceilândia (DF) 
Árbitro: Almir Camargo 
Renda: R$ 2.113,00
Público: 646 pagantes  
Gols: Welton Felipe, 10 e Souza (pênalti), 85 
BRASILIENSE: Pereira, Patrick, Welton Felipe, Preto Costa e Mário Henrique; Lucas Garcia (Gabriel), Aldo, Souza e Peninha (Hériclis); Luquinhas (Malaquias) e Nunes. Técnico: Luiz Carlos Souza. 
REAL: Léo Rodrigues, Rafael Viegas, André, Raphael Andrade (Hyago) e Renan (Enrick); Werick, Glauber, Santos e Kaio; Willian e Léo Santos (Giba). Técnico: Gauchinho.

BOSQUE FORMOSA 0 x 0 GAMA 
Data: 19.02.2017 
Local: Diogão, Formosa (GO) 
Árbitro: Christiano Gayo 
Renda: R$ 11.020,00  
Público: 1.428 pagantes  
BOSQUE FORMOSA: Jefferson, Edson Pacujá, Danilo Cocada, Mário Paiva e Dadinho; Mandagua (Wesley), Robinho (Douglas Gabriel), Dadá e Pedro Felipe (Ratinho); Diogo Capela e Michel Paulista. Técnico: Carlos Antônio de Souza. 
GAMA: Maringá, Dudu Gago, Michel Jardim, Gaúcho e Kaká; Baiano (Glaybson), Eduardo, Everton e Michel Pires (Gordo); Potita (Raone) e Roberto Pítio. Técnico: Reinaldo Gueldini.

LUZIÂNIA 1 x 3 CEILÂNDIA 
Data: 19.02.2017 
Local: Serra do Lago, Luziânia (GO) 
Árbitro: Rodrigo Raposo 
Renda: R$ 4.430,00
Público: 713 pagantes
Gols: Gilmar, 33; Romarinho, 51; Cauê, 75 e Badhuga, 90+2 
LUZIÂNIA: Sid, Amaral, Cauê, Perivaldo e Mailson; Rodrigo Barros, Rodrigo Menezes (Tatuí), Dan e Almir; Robinho e Laécio (Willame). Técnico: Ricardo Antônio. 
CEILÂNDIA: Artur, Dudu Lopes, Wallinson, Badhuga e Kabrine; Didão, Emerson Martins, Alcione e Filipe Cirne (Elivelto); Gilmar Herê (Formiga) e Romarinho. Técnico: Adelson de Almeida.

terça-feira, 28 de março de 2017

AS SELEÇÕES DE BRASÍLIA: Empate no Mineirão com a Seleção Mineira/Brasileira


Seleção Brasileira na Copa América de 1975
No dia 9 de julho de 1975, a Federação Metropolitana de Futebol convocou 26 jogadores para comporem a delegação da Seleção do Distrito Federal para o jogo amistoso que seria realizado no dia 13 de julho de 1975, contra a Seleção de Minas Gerais, no Mineirão, em Belo Horizonte.
O técnico João Avelino convocou os seguintes jogadores:
Ceub: Paulo Victor, Déo, Nonoca, Pedro Pradera, Emerson, Nenê, Renê, Alencar, Moreira, Julinho, Péricles, Rogério, Robério, Douradinho e Xisté.
Taguatinga: Dinarte, Nemias, Dão e Banana.
Minas: Wilson.
Humaitá: Alemão, Claudionor, Jonas Foca e Moisés.
Canarinho: Belo e Edson.
Os demais membros da delegação foram: Chefe da Delegação - Paulo Roberto Duarte Marinho; Médico - Flory Machado; Preparador Físico - José Antônio Furtado Leal; Massagista - Marreta e Roupeiro - Anísio Cabral.

A delegação embarcou às 16:15 horas do dia 12 de julho de 1975 para Belo Horizonte. Às 20:30 horas, fizeram o único treinamento visando o amistoso.
A Seleção de Minas Gerais se preparava para disputar a Copa América de 1975, representando o Brasil.
Quatro dias depois de convocado, quando entrou em campo, ninguém acreditava no selecionado brasiliense. 
A seleção de Brasília acabou roubando a cena do espetáculo com um futebol de muita garra e coordenação tática. Os mineiros, completamente desordenados em campo, não conseguiram em nenhum momento vencer o bloqueio defensivo brasiliense e, não raras vezes, quase foram surpreendidos pelos contra-ataques perigosos e bem executados. O resultado de 0 x 0 foi injusto para o selecionado brasiliense.
Com as modificações introduzidas no selecionado mineiro para a segunda etapa, houve maior movimentação, mas ausência de um esquema tático capaz de superar o bloqueio imposto pela equipe de Brasília.
No final do jogo, após muitas manifestações de contrariedade da torcida presente, o placar permaneceu em branco.
Na decisão por pênaltis, para decidir a posse da Taça Minas Gerais, a seleção mineira venceu por 4 x 3.

SELEÇÃO DE MINAS GERAIS 0 x 0 SELEÇÃO DO DISTRITO FEDERAL
Data: 13 de julho de 1975
Local: Estádio Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Édson Válter Pantozzi
Renda: Cr$ 84.265,00
Público: 13.476
MINAS GERAIS: Careca, Nelinho, Darci Menezes, Vantuir e Vanderlei; Vanderlei Paiva (Piazza) e Zé Carlos (Danival); Campos, Marcelo, Palhinha (Reinaldo) e Ângelo. Técnico: Hilton Chaves (que seria substituído por Oswaldo Brandão)
DISTRITO FEDERAL: Paulo Victor, Nonoca, Valtencir (emprestado pelo Botafogo), Émerson e Nenê (Fernandinho); Renê, Moreira e Péricles; Julinho (Junior), Ferreira e Dinarte. Técnico: João Avelino.

segunda-feira, 27 de março de 2017

PLACAR DA RODADA: 22 a 26.03.2017



22.03.2017 
SOBRADINHO 3 x 1 GAMA 
Obs.: jogo atrasado da 5ª rodada

25.03.2017 
LUZIÂNIA 0 x 1 SANTA MARIA
CEILÂNDIA 1 x 1 GAMA
Obs.: jogo atrasado da 7ª rodada

26.03.2017
C. A. TAGUATINGA 3 x 4 BOSQUE FORMOSA
Obs.: jogo atrasado da 6ª rodada

CLASSIFICAÇÃO DE MOMENTO

CF
CLUBES
PG
J
V
E
D
GF
GC
SG
Aprov.
GAMA
21
10
6
3
1
15
6
9
70,0%
BRASILIENSE
21
10
6
3
1
14
7
7
70,0%
CEILÂNDIA
20
9
6
2
1
14
6
8
74,1%
SANTA MARIA
14
10
4
2
4
12
9
3
46,7%
PARACATU
14
10
4
2
4
12
11
1
46,7%
SOBRADINHO
14
9
3
5
1
17
15
2
51,9%
REAL
13
10
3
4
3
9
9
0
43,3%
LUZIÂNIA
12
10
3
3
4
11
9
2
40,0%
PARANOÁ
11
10
3
2
5
7
17
-10
36,7%
10º
BOSQUE FORMOSA
10
10
3
1
6
12
16
-4
33,3%
11º
BRASÍLIA
6
10
2
0
8
12
24
-12
20,0%
12º
C. A. TAGUATINGA
6
10
1
3
6
11
17
-6
20,0%


Nota: faltando apenas uma rodada, Brasília e C. A. Taguatinga já estão, matematicamente, rebaixados para a Segunda Divisão de 2018.

domingo, 26 de março de 2017

A PRIMEIRA VEZ A GENTE NÃO ESQUECE: Grêmio Brasiliense



O Grêmio Esportivo Brasiliense foi fundado em 1958 e reconstituído administrativamente em 26 de março de 1959, em Brasília (DF).
Foi criado com a finalidade de proporcionar divertimento ao pessoal do Acampamento da Metropolitana, em sua grande maioria formado por funcionários do DVO – Departamento de Viação e Obras da NOVACAP, cujo Engenheiro-Chefe era Vasco Viana de Andrade, que mais tarde daria seu nome para o estádio do Grêmio.
O Grêmio filiou-se à Federação Desportiva de Brasília na reunião do dia 1º de abril de 1959.

A PRIMEIRA DIRETORIA

A reunião que aprovou os estatutos do Grêmio e elegeu sua primeira diretoria aconteceu na residência de Moacyr Soares de Souza, situada na Avenida Central, Núcleo Bandeirante, no dia 6 de agosto de 1959. Ficou assim constituída a primeira diretoria do Grêmio Esportivo Brasiliense: Presidente – Moacyr de Miranda Gomes; Vice-Presidente – José Porto Sobrinho; 1º Secretário – Armando Barreto; Diretor Social – Carlos Frederico do Amaral; 1º Tesoureiro – Paulo Pimenta Guimarães; 2º Secretário – Waldomiro Veiga; Diretor Esportivo – Moacyr Soares de Sousa e Diretor Técnico – José Jorge de Mello.

O PRIMEIRO JOGO OFICIAL

A estreia do Grêmio no Campeonato Brasiliense foi no dia 31 de maio de 1959, vencendo a Associação Desportiva de Taguatinga, por 3 x 0.

O PRIMEIRO GRITO DE É CAMPEÃO!

O campeonato brasiliense de 1959 teve início no dia 31 de maio, com os 19 clubes inscritos sendo divididos em duas chaves: Zona Sul e Zona Norte. O Grêmio fez parte da Zona Sul, juntamente com Taguatinga, IPASE, EBE, Expansão, A. A. Bancária (IAPB), Guará, Brasil e Brasil Central.
Conforme estabelecido no regulamento, os clubes jogariam dentro de suas respectivas zonas, em turno e returno, com os vencedores decidindo, numa série “melhor-de-três”, o título de campeão da cidade.
Com o decorrer dos jogos muitos clubes desistiram de continuar na competição.
O favorito para a conquista do título da Zona Sul e também do campeonato era o Guará. Grêmio e Guará lideraram, lado a lado, o campeonato da Zona Sul até a última rodada, disputada no dia 25 de outubro de 1959, quando, para surpresa de todos, aconteceu empate entre as equipes do Guará e da EBE, pela contagem de 2 x 2. Com isso, o Guará somou mais um ponto perdido (totalizando quatro), deixando que o Grêmio alcançasse o título de campeão da Zona Sul. 

Assim, o Esporte Clube Planalto, já qualificado como campeão da Zona Norte, decidiria com o Grêmio o título máximo do futebol de Brasília numa série “melhor-de-três”.
As partidas foram truncadas, acidentadas, com muitas expulsões, mas também tiveram desenrolar empolgante, graças ao espírito de luta com que se apresentaram os 22 elementos em campo.
Na primeira, no dia 8 de novembro, em seu campo, o Grêmio venceu por 4 x 2. Na segunda, uma semana depois, empate em 3 x 3. Na última, em 22 de novembro, um gol de Carlinhos, aos 26 minutos do 2º tempo, deu a vitória de 1 x 0 e o título ao Grêmio.
Defenderam o Grêmio nas três últimas partidas do campeonato os seguintes jogadores: Bosco, Amauri e Hugo; Remis (José), Alemão e Ralph; Carlinhos (Nilo II), Nilo, Jair, Eluff e Roberto (Nobre). O técnico foi Rubens Porfírio era irmão do General Porfírio da Paz, que chegou a ser Governador de São Paulo e foi um dos fundadores do São Paulo Futebol Clube.

Obs.: A Federação Desportiva de Brasília passou um bom tempo sem querer reconhecer esse título do Grêmio. Alegava a entidade que o campeonato foi realizado antes da inauguração de Brasília.

O PRIMEIRO AMISTOSO INTERESTADUAL

Poucos dias antes da inauguração de Brasília (que aconteceria em 21 de abril de 1960), o Bangu, do Rio de Janeiro, visitou a futura Capital Federal, aqui realizando dois jogos amistosos.
No dia 2 de abril dde 1960, venceu o Guará por 4 x 0 e, no dia seguinte, derrotou o Grêmio Brasiliense por 3 x 0.

GRÊMIO 0 x 3 BANGU
Data: 3 de abril de 1960
Local: Estádio Israel Pinheiro, Brasília (DF)
Gols: Luís Carlos, 40; Beto, 73 e Hélcio Jacaré, 89
GRÊMIO: Bosco, Pedersoli e Hugo; Remis, Alemão e Ralph; Édson, Sabará, Carlinhos, Mambaquinha e Reinaldo.
BANGU: Djalma, Joel e Mário Tito; Zózimo, Ananias e Alcides (Hélcio Jacaré); Aloísio, Luís Carlos, Vermelho, Valter e Beto. Técnico: Tim.

A PRIMEIRA VEZ NA LOTERIA ESPORTIVA

Em 1970, a Loteria Esportiva tinha acabado de ser lançada.
No concurso teste nº 27, dos dias 5 e 6 de dezembro de 1970, o jogo número 10 reuniu Colombo x Grêmio.
No dia 6 de dezembro de 1970, jogando contra o Colombo, do Núcleo Bandeirante, o Grêmio venceu por 1 x 0, dando coluna 2.